outono azul a sul editora Urutau, 2018  [ poesia ] 
ilustrações de Edgar Duvivier e António Martins-Ferreira
posfácio de João Almino

isbn: 978-85-7105-048-8 | língua: português | encadernação: brochura | formato: 14 x 19,5cm | páginas: 128 | papel: pólen 90 gramas | ano de edição: dezembro 2018

publicado em: Portugal, Brasil [livro físico]


—> COMPRAR NA EUROPA €12 OU NO BRASIL R$35

—> ENCOMENDAR O LIVRO AUTOGRAFADO [MESMO PREÇO]


encontra-se nas livrarias portuguesas:
snob | livraria da cossoul: rua nova da piedade 66 LISBOA
letra livre: calçada do combro 139 LISBOA
poesia incompleta: rua de são ciro 26 LISBOA
poetria: rua das oliveiras 72  loja 12 PORTO
flâneur: rua de fernandes costa 88 PORTO [em breve]

encontra-se nas livrarias brasileiras:
blooks: rua voluntários da pátria 35, botafogo RIO DE JANEIRO
travessa: RIO DE JANEIRO & SÃO PAULO [em breve]



"Entre Lisboa e Rio de Janeiro, desponta um novo canto, herdeiro do vento, do desconcerto e do lírico. Assim é a poesia de calí boreaz, geografia do tempo, em seu instante forte e delicado. Uma estreia vigorosa, uma noite que grita, para dizer o mínimo."
— Paula Fábrio [Prêmio São Paulo de Literatura 2013]

"Belíssimo, outono azul a sul é como uma onda que nos arrasta desde a primeira linha até lugares impossíveis de prever. É tão raro encontrar um verdadeiro poeta."
— Ana Teresa Pereira [Prêmio Oceanos 2017]

"Ao se dar a conhecer em versos de paixão precisa, calí boreaz é a poesia e nela aponta novos sentidos. Rosa dos ventos que, colhida de abismos marinhos, exala perfume de “maresia distante”. Seguimos viagem. No rumo ou à deriva, que importa se são seus versos a nos soprar as velas?"
— Francisco Azevedo [O arroz de Palma, Os novos moradores, Doce gabito]

"Quando lemos um livro, é bem provável que nos apeteça encontrar qualquer coisa nunca antes escrita. (...) Para os leitores que não gostam dessa sopa de letras, dessa irmandade mal-amanhada, aparece outono azul a sul, de calí boreaz. Livro com uma criação própria, dá-nos — além desse privilégio da criação genuína — a ler imagens de belo recorte, ou de recorte belo. Insólito nas vezes suficientes, bem raciocinado, bem proporcionado em arrepios de quase agradáveis afastamentos, em amavios de luz e cor, leva-nos a fluir e a divagar no tempo." LER CRÍTICA COMPLETA
— Daniel Maia-Pinto Rodrigues [poeta português]










 estou escrevendo, 2019  [ sem gênero ]